Les copains d’abord

de George Brassens

Nom, nom é a balsa
Da Medusa
, este barco

Saibam que no fundo do porto, no fundo do porto
Ele navegava tranquilamente
Sobre as águas do “Quê dirám?”
E chamava-se “Primeiro os Amigos”
Primeiro os amigos

Os seus fluctuat nec mergitur
Nom eram literatura
Nom desgostava os agoureiros, os agoureiros
O capitám e os seus marinheiros
Nom eram uns filhos-da-puta
Senom bons amigos desinteressados
Primeiro os amigos

Nom eram amigos do luxo
Pequenos Cástor e Pólux,
Gentes de Sodoma e Gomorra, Sodoma e Gomorra
Nom eram amigos escolhidos
Por Montaigne e La Boëtie
Davam-se boas palmadas no bandulho
Primeiro os amigos

Também nom eram anjos
O evangelho nunca o leram
Mas queriam-se a toda máquina, a toda máquina
Jean, Pierre, Paul e companhia
Era a sua única ladaínha
O seu Credo, o seu Confiteor
Primeiro os amigos

Ao menor aviso de um Trafalgar
Era a amizade a que se punha em guarda
Era ela a que lhes mostrava o norte, lhes mostrava o norte
E quando estavam em perigo
E os seus braços lançavam S.O.S.,
Pareciam farois
Primeiro os amigos

Nos encontros dos bons amigos
Nom costumava haver ausentes
Quando um deles nom subia a bordo
Era porque já morrera
Sim, mas nunca, nunca jamais
Desaparecia o círculo que deixara na água
Cem anos depois, cabrom com sorte,
Ainda o achavam de menos

Eu tenho andado em muitos barcos
Mas o único que agüentou
Que nom mudou de rumo, mudou de rumo
Navegava tranquilamente
Sobre as águas do “Quê dirám?”
E chamava-se “Primeiro os Amigos”
Primeiro os amigos

2 Comments

  1. Posted Abril 9, 2007 at 12:37 pm | Permalink

    Good site!!!

  2. Re.Pimentel
    Posted Janeiro 30, 2008 at 7:57 pm | Permalink

    gostei do site, gosto do Brassens e dessa música particularmente. Algumas reservas qto à tradução… mas como nunca fiz uma vou aceitar a sua, por ora. Depois mando proposta, para debatermos.


Publicar um Comentário

Required fields are marked *

*
*

%d bloggers like this: