Category Archives: Uncategorized

Les copains d’abord

de George Brassens Nom, nom é a balsa Da Medusa, este barco Saibam que no fundo do porto, no fundo do porto Ele navegava tranquilamente Sobre as águas do “Quê dirám?” E chamava-se “Primeiro os Amigos” Primeiro os amigos Os seus fluctuat nec mergitur Nom eram literatura Nom desgostava os agoureiros, os agoureiros O capitám […]

Consome até morrer

Tomei o título da campanha de Ecologistas em Acción, mas vou me referir à série de fotografias Drop Dead Gorgeous, da artista Daniela Edburg. Ambos projectos partem de pressupostos ideológicos idênticos (a crítica ao consumismo) e utilizam ferramentas retóricas semelhantes (a contra-publicidade ao estilo Adbusters). Mas é a fotógrafa estadounidense (residente em México) a que […]

Sobre revoluções e corpos celestes

O nosso sistema planetário é um Estado monárquico. O Sol tem a sua corte, mas mantém um bocado afastados os grandes, permitindo-lhes, isso sim, terem os seus próprios satélites. Com isto talvez poderia fazer-se uma fábula perfeitamente aplicável às actuais revoluções políticas. Os satélites rebelam-se e querem girar directamente arredor do Sol. Georg Christoph Lichtenberg […]

Objectivo Noruega

Uma das principais preocupações dos nossos governantes é nom perdermos os fundos estruturais da Uniom Europeia (UE). Por um lado pretendem convencer-nos de que fazemos parte do primeiro mundo (como se o número de festas gastronómicas ou de carros tuneados fosse um indício fiável) e por outro choram como Jeremias ante a perspectiva de que […]

Ground Zero (GZ)

Nom se vos pode deixar sozinhos. Marcho uma semana longa de férias e ao voltar topo-me com isto! O certo é que já me cheirava que a cousa era pior que outros anos por causa de um televisor acendido no interior de uma casa em Candelario à hora do telejornal. Acheguei-me à janela para sentir […]

Galician bizarro

Aproveitei a manhã do sábado para mudar a planilha deste blog e customizá-lo (melhor seria dizer tuneá-lo) com uma cabeceira kitsch. Como demonstrou o meu amigo Suso num trabalho académico, os postais de galegos – com as suas raparigas garridas e as suas panelas de mariscos – som o mais parecido que temos a uma […]

Vinci rabincha

Num dos mais hilariantes diálogos do filme Deconstructing Harry (1997), de Woody Allen, o Diabo explica: "Sim, temos ar-condicionado no inferno. É que fode a camada de ozónio! Entre o ar-condicionado e o Papa, eu ainda prefiro o ar-condicionado…". A mim passa-me qualquer cousa semelhante com O código Da Vinci. Se é necessário escolher entre […]

Sinofobia

O not-made-in-China vendia hoje na feira de Padrom (foto de telemóvel).

Parálise permanente

Ai, que me eskerrikasko de rir, Gorka.

Aquí no se folla, es el problema vasco

Can sexual inadequacy or deprivation turn angry young men into killers? Ian Guruba explica neste artigo do The Guardian os vínculos ocultos entre frustraçom sexual e violência política. Já o diziam em clave punk os Lendakaris Muertos.

H5N1

H5N1. O número da besta, o código do vírus. Duas letras e duas cifras som suficientes para nos meter medo. Decerto, é necessário fazer algumas pesquisas para entender de onde procede o nome, mas no fundo pouco importa. Os acrónimos acabam sempre por ser autorreferentes. A verdadeira funçom de H5N1 é renovar o velho sintagma […]